Além de autorizar a abertura de 74 inquéritos contra políticos que tem foro privilegiado no Supremo, o ministro Edson Fachin determinou, ainda, a revogação do sigilo na maioria dos processos e a remessa de 201 petições a outras instâncias referentes a investigados sem prerrogativa de foro no STF.

Dentre esses investigados estão o prefeito de Teresina, Firmino Filho, que aparece nas planilhas da Odebrecht com recebimentos de valores de R$ 500 mil (R$ 150 mil, depois mais R$ 350 mil) e o ex-deputado federal e ex-governador do Piauí, Hugo Napoleãoque aparece com o apelido “Diplomata” e que teria recebido R$ 100 mil nas eleições de 2010.

Caberá à Justiça Federal em Teresina decidir se aceita ou não a ação criminal contra os dois.