contavermelha2

OPINIÃO SOBRE A CRISE NO PIAUÍ – Em audiência na Assembleia Legislativa do Piauí, o superintendente de despesas do Piauí, Emílio Júnior, não escondeu: “a situação é crítica e há risco de termos atrasos de salários”.

emiliosefaz

 

A CONTA VERMELHA AVANÇA:

W.Dias não cumpre normas da Previdência e PI quase tem recursos bloqueados

Em 120 dias, governo do PT-PI torrou metade dos R$ 19 mi reservados para Comunicação

Piauí tem 2.541 servidores comissionados não concursados na folha de pagamento

OPINIÃO – Vão procurar culpados fora do Karnak

Por Aquiles Nairó

As notícias negativas sobre a crise nas contas estão sendo divulgadas em série, com vários atores tentando unificar o discurso. Matéria do jornal Diário do Povo desta quinta-feira(01) diz que o secretário de Fazenda, Rafael Fonteles avisou que uma das causas das crise seriam os reajustes de salários concedidos nos últimos anos.

O governador fala nos empréstimos que não estão sendo concedidos pelo governo Temer, sendo que a União faz uma série de exigência para a concessão desses empréstimos. Uma delas é a regularidade no sistema Previdenciário, coisa que ainda não conseguiram resolver.

Abertamente, ninguém na equipe do governo afirma que não era o momento de se criar nove Coordenadorias para abrigar aliados políticos que farão a campanha do governador no próximo ano, nem seus quase 100 cargos comissionados.

Por outro lado, nem a Assembleia Legislativa do Piauí, muito  menos o Palácio de Karnak se preparam para demitir comissionados, o que seria a primeira medida em casos de crises desse tipo. Na ALEPI, estão esperando que servidores mais antigos voluntariamente peçam aposentadoria. Os dois poderes abrigam quase cinco mil comissionados.

Além dos pagamentos dos servidores, o efeito cascata já assusta os empresários que tem contratos no Estado, pois devem ser os primeiros a sentir a dor no calote dos pagamentos e, em consequência, poderão ser forçados a demitir funcionários.

Apesar de toda a crise que chegou pra valer, nesse mês de maio o governador Wellington Dias ficou 15 dias fora do Estado, sendo dois dias para acompanhar o depoimento do ex-presidente Lula em Curitiba, depois uma semana na Europa atrás de investimentos e empréstimos, sabendo que a União não dará mais aval para empréstimo externos.

Enquanto isso, não se sabe o que a gestão de Wellington está esperando para começar a cortar na própria carne e fazer seu dever de casa. Por enquanto, o caminho mais fácil é encontrar e apontar culpados fora do Palácio de Karnak.