wdiasapressado

ELEIÇÕES 2018  – O novo metrô de Teresina já está nascendo desgovernado. Antes mesmo do governo Wellington Dias pagar e apresentar um estudo de R$ 2,85 milhões que seria elaborado pela Fundação Cearense de Pesquisa e Cultura mostrando a viabilidade do VLT,  já foi lançada a licitação de R$ 92,3 milhões para a compra de 06 Veículos Leves Sobre Trilhos (VLTs), compostos por três carros cada.  Os recursos, como sempre, o governo diz que estão assegurados.

CONTRATO DA CONSULTORIA DE R$ 2,85 MILHÕES

ATROPELOS DE SECRETÁRIOS – Para contribuir com a confusão, duas secretarias do Estado estão cuidando do assunto. A Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico (SEDET), comandada pelo deputado Nerinho (PTB), contratou a FCPC por R$ 2,85 milhões para que a entidade apresente um estudo sobre a viabilidade da implantação do VLT em Teresina. Ou seja, não dá pra comprar os VLTs sem saber por onde os veículos irão passar, já que é usada uma estrutura diferente do atual metrô.  Mesmo que a entidade Cearense já tivesse um estudo engavetado, o cronograma assinado para entrega e pagamento foi de 165 dias.

LEIA: Fundação do CE é contratada por R$ 2,85 mihões para estudar viabilidade do VLT em Teresina

Antes mesmo da conclusão e do pagamento da consultoria, a Secretaria Estadual de Transportes, comandada por Guilhermano Pires, acaba de lançar a licitação para a compra dos VLTs. A vencedora vai assinar um contrato de R$ 92,3 milhões.  As propostas serão entregues no dia 10 de julho.

O Edital e seus elementos constitutivos estarão disponíveis para consulta e aquisição no Setor de Licitações da SETRANS/PI, na Av. Pedro Freitas, s/n, Centro Administrativo, bloco “G”, 1º Andar, Teresina-PI, Fone: (86)3215- 4545/, Ramal 221, Fone/Fax: (86)3215-4291 e (86)3216-3124, email: cplsetranspi@bol.com.br, de segunda a sexta-feira, das 07h30min às 13h30min horas.

MUITA PRESSA NAS LICITAÇÕES – O governo tem pressa, diz que serão usados recursos próprios e de convênios. Espera-se que não se repita o que está acontecendo com outras licitações que foram questionadas e barradas nos tribunais por direcionamentos nos editais: Agespisa, Compra das Tornozeleiras, Nova Maternidade de Teresina, 8.559 terceirizados, Privatizacão da CEASA e outras.