ESTADO DEVE EMPRESA –  O jornal Folha de São Paulo traz nesta quinta-feira(31), matéria informando que está falando tornozeleiras eletrônicas no Piauí  e mais seis estados brasileiros. Segundo a matéria de Cleomar Almeida e Yala Sena, presos em
flagrante sob suspeita de violência doméstica, de tráfico de pequenas quantidades de drogas e até por integrarem quadrilhas de roubo estão sendo soltos sem nenhum tipo de monitoramento.

MATÉRIA COMPLETA AQUI

AMEAÇA – O jornal Folha de São Paulo informou que entre os casos mais preocupantes estão as libertações de acusados por ameaça e violência contra a mulher.  “Para o preso que não representa perigo, determinamos a soltura sem monitoramento com o pé atrás. Mas os com perigo evidente não liberamos”, informou o juiz do Piauí José Olindo Gil Barbosa.

ESTADO ESTÁ DEVENDO – Segundo a matéria, Acre, Rio de Janeiro, Piauí, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul devem quase R$ 10 milhões às fornecedoras, por atraso no pagamento ou por extravio dos equipamentos. Três empresas prestam o serviço no país.
A Spacecom e a UE Brasil Tecnologia confirmaram as dívidas e dizem que têm
capacidade de produção para atender à demanda. A Synergye não se pronunciou.

PIAUÍ TEVE LICITAÇÃO SUSPEITA – O Blog Código do Poder acompanhou a licitação que estava sendo conduzida pela Secretaria Estadual de Justiça mas, por causa de denúncias de favorecimento e de suspeitas, a Justiça acabou dando liminar em favor da empresa Spacecom para que a licitação fosse suspensa. Segundo a Spacecom (atual detentora do contrato), a SEJUS-PI estaria querendo favorecer a empresa Synergye, acusado de envolvimento num desvio de R$ 12 milhões no Estado do Rio de Janeiro. A SEJUS-PI pretende contratar o fornecimento de três mil equipamentos.

LEIA MAIS SOBRE A LICITAÇÃO CANCELADA: 

Juiz manda Daniel Oliveira suspender licitação de R$ 16 milhões das tornozeleiras

Licitação das tornozeleiras no Piauí é marcada por acusações de favorecimento e confusão